1. Bolinei gostoso a loira no ônibus de turismo


    Encontro: 11/10/2018, Categorias: Fetiches, Autor: NeggoTarado, Fonte: ContoEroticoComBr

    Olá, pessoal, meu nome (fictício) é Renato, sou casado, negro, tenho 1,68m e, embora eu tenha uma barriguinha, considero meu porte físico razoável. Moro na região metropolitana de SP e tomei coragem de escrever um conto (real) para deleite dos leitores que curtem uma aventura. Sei que minhas histórias não são tão impressionantes mas eu prefiro assim ao invés de histórias que nos enlouquecem porém não tem veracidade alguma. Bom, já me apresentei e falei até demais então vamos ao conto: Estudo no Centro de São Paulo e numa das minhas viagens de volta aconteceu que resolvi pegar um ônibus diferente pois eu gosto de ônibus lotadão para tentar encoxar, e como eu sabia que não haveria esta possibilidade nos ônibus comuns então entrei num daqueles ônibus de turismo (os quais tem uma tarifa muito maior) na esperança de me assentar ao lado de uma gostosa e aproveitar as luzes apagadas deste tipo de ônibus para dar alguma bolinada. Entrei no ônibus e já tive minha primeira alegria ao ver que não havia lugar vazio, pois a maioria das poltronas tinha uma pessoa sentada na janela e o assento do corredor livre. Minha próxima alegria foi me deparar com uma loira linda sentada sozinha, aparentemente sem nenhum conhecido por perto. Não pensei duas vezes, me sentei ao seu lado, educadamente, pedindo a sua licença (mal sabia ela das minhas intenções). Ao me sentar tive, então minha terceira alegria que foi averiguar que ela vestia uma saia, dessas que o povo costuma chamar “saia rodada”, de um ... tecido um tanto mole, na altura dos joelhos e uma blusinha. Talvez eu também a tenha agradado pois neste dia eu, curiosamente, estava trajando roupas sociais ao invés do modo largado que costumo me vestir quando vou para a escola. O restante da vestimenta e dos detalhes dela eu não pude reparar pois as luzes do ônibus se apagaram (minha atuação iria começar…). Eu estava com medo de gerar um escândalo por parte dela mas acho que isso até aumenta o tesão, e nessa mistura de tesão e medo aproximei minha mão da região mais baixa de sua coxa, imediatamente acima do joelho, e a toquei “sem querer querendo” (rs,rs) para ver o que ela faria. Ela não reagiu e eu prossegui, desta vez mantendo minha mão encostada naquele mesmo lugar que eu havia tocado. eu tinha certeza que ela estava percebendo minha intenção a partir daí e por vezes eu a olhava para interpretar o que ela estava achando daquilo pois não me agrada a idéia de que uma mulher está me permitindo tocá-la por medo (penso que bolinada e encoxada devem ser consensuais). Foi aí que detectei um sinal de aprovação pois ela, sentindo minha mão apalpar sua coxa, virou-se para a janela e fechou os olhos, fingindo dormir. Nesse instante o meu pau, que já estava duro, latejava, coisa que eu até desacreditei porque eu havia comido um travesti em São Paulo antes de ir pegar o ônibus (mas isso é outra história que talvez um dia eu conto), e eu me senti mais a vontade para ir além. Posicionei a mochila que eu trazia em meu colo de maneira ...
«12»