1. Domingo de Sol - Parte 3: Quebraram-se os limites


    Encontro: 10/10/2018, Categorias: Exibicionismo, Incesto, Heterossexual, Autor: Marta de Almeida, Fonte: CasadosContos

    O sol estava quase se pondo e ainda estávamos na piscina, depois do almoço Pedro e eu resolvemos beber vinho. A conversa estava agradável e o esfrega esfrega com Pedro também. É muito excitante quando nos provocamos na frente dos outros, parece que não dá vontade de parar nunca. Eu apertava seu pau, ele passava os dedos em mim, apertava meu peito, tudo isso escondido. Teve a audácia de enfiar seu dedo de uma vez em minha bunda, essa doeu, mas tive que afastar sem deixar transparecer. O dia acabou e Vanessa foi embora para sua casa, já estávamos sentados para fazer a última refeição do dia quando Artur nos questionou meio incrédulo: - O que vocês estavam fazendo? Na hora não entendemos e perguntamos sobre o que ele estava falando. -Eu vi vocês a tarde inteira se apertando, se apalpando, vi até quando o papai lhe deu uma dedada, tudo isso na minha frente e na frente da Van, nós vimos tudo. Na mesma hora eu congelei, não sabia o que fazer nem falar. Pedro estava tão surpreso de termos sido tão idiotas que foi tentar se explicar, mas só gaguejou e não disse nada. Eu estava branca e fiquei pálida, um suor gelado e repentino começou a sair do meu rosto. Pedro então, estava vermelho do Sol, ficou roxo de vergonha. Tudo isso porque deixamos a bebida nos levar. - Pai, a Van viu seu pinto duro sabia? Eu também vi. Mãe, nós vimos o pai te masturbar. É sério que vocês achavam que não daria para saber? A água é transparente, deu para ver tudo de perto. - Enquanto ele falava, Pedro ... tentava cada vez argumentar, mas as palavras não saiam. Nessa hora eu fiquei pior ainda, a vergonha estava imperando sobre qualquer outro sentimento que eu poderia ter. A sensação de burrice misturada com vergonha era pior do que tudo. Quando Artur soltou: - Eu sei que vocês ainda são bem ativos e não sou idiota para saber que vocês transam, já vi algumas vezes isso acontecer também. - Nessa hora Pedro me olhou incrédulo, não o encarei de volta. - Acho até normal vocês terem esse fogo todo, mas a Vanessa não esperava por isso. Nem eu para falar a verdade. - Ele ia falando e aquelas palavras iam batendo na minha mente como se fossem marteladas. Então completou: - Ainda bem que a Van tem a cabeça muito aberta, disse que entendia que era porque vocês são jovens e estavam meio bêbados, disse também que para ela não tem nenhum problema o que ocorreu. Ela fica até feliz que ao invés de vocês brigarem, como os pais dela fazem, vocês façam esses tipos de coisa. Dessa vez eu quem fiquei perplexa, sabia que a Vanessa era uma menina esperta, mas nunca imaginei que uma menina tão jovem fosse tão mente aberta assim. Vendo a reação dele dizendo aquilo resolvi indagar: - E você? O que achou sobre aquilo? O que sentiu sobre o que viu? - Perguntei olhando em seus olhos. Ele ficou nervoso, não esperava a pergunta. Pedro fez a mesma cara do Artur, não entendeu direito a pergunta, mas como nos outros momentos ficou calado. Eu repeti a pergunta: - O que você achou? - Eu não achei nada mãe. - Ficou ...
«12»