1. Fantasias da casada IV


    Encontro: 04/10/2018, Categorias: Fantasias, Autor: Mauren, Fonte: ContoEroticoComBr

    Olá a todos, hoje inicio a última etapa das minhas aventuras: conseguir fechar a minha agenda com a transa de sexta. A ideia inicial era arranjar alguém fixo, mas fiquei com medo de entediar com caras fixos todos os dias. Resolvi então ousar um pouco. A sexta seria dedicada ao acaso. A uma transa com caras desconhecidos com uma escolha aleatória. Cidadãos comuns que mereciam relaxar antes do final de semana. Resolvi agir estilo dama da lotação de Nelson Rodrigues, sair por aí e pegar um qualquer na rua. Vestida a rigor, com uma saia na altura dos joelhos, para facilitar o acesso em caso de necessidade. E uma blusa um pouco solta, sem sutiã para dar uma certa visibilidade aos pretendentes. Me fui então. Peguei o carro, andando para um pouco distante do meu bairro e me deparei com uma feira livre de frutas e verduras. Um lugar ótimo para encontrar homens rudes. Andando pela feira, perguntando preço e comprando algumas coisas, passei por um homem que estava sentado sobre umas caixas de madeira. Percebi que era responsável por descarregar o caminhão. Estava sentado, de macacão azul, todo sujo. O macacão estava aberto até a altura da cintura e dava para ver parte da cueca vermelha que usava. Era um mulato gordo e forte, baixinho, de cabeça raspada. Pensei, bom candidato. Me aproximei, perguntando onde poderia achar melancia. Ele me indicou uma banca mais adiante. Então perguntei se ele sabia se vendiam em pedaços pois eu não conseguiria carregar sozinha até o carro. Foi então ... que ele se ofereceu para carregar. Fomos juntos até a banca, comprei a melancia que ele carregou para mim. Ao chegar no carro fiquei tentando exibir meu corpo para ele me abaixando e mostrando meus seios através do decote. Agradeci a gentileza e disse que ele era forte, e que gostaria de agradecê-lo de alguma forma. Perguntei se o caminhão que estava estacionado perto do local onde o encontrei era dele. Disse que sim, que era o motorista. Como era um caminhão baú, pensei em agradecê-lo alí mesmo. Chegamos no caminhão e disse que queria entrar no baú com ele para que o agradecimento fosse inesquecível. Entramos e com a porta um pouco aberta para entrada de luz e ar, me despi para aquele desconhecido e arranquei o macacão e a cueca dele, deixando uma pica bem pequena à mostra escondida atrás de uma barriga imensa. Caí de boca nele, e com as mãos na bunda gorda, puxava ele contra mim. Fiz um belo boquete, deixando o pau duro feito pedra. Depois me sentei de pernas bem abertas em alguns sacos de batata que ali haviam e deixei ele me comer bem gostoso. Aquela barriga batia nos meus peitos pois eu fiquei meio curvada. Um pouco antes dele gozar ele tirou o pau da minha buceta encharcada do meu gozo e derramou tudo na minha boca, como eu gosto. Após ele finalizar, ainda não me sentia plenamente satisfeita. Pedi a ele então chamar seus companheiros que quisessem me satisfazer. Ele saiu e retornou minutos depois com 2 caras, chapas que ele havia pego na beira da estrada pela manhã para ...
«123»