1. O jardim de dona Rute


    Encontro: 03/10/2018, Categorias: Coroas, Autor: putavadia, Fonte: ContoErotico

    Moro numa cidadezinha do interior não muito longe da capital São Paulo, tipo do lugar onde todo mundo conhece todo mundo e eu sou um bom jardineiro que ajuda os jardins da cidade a se manterem verdes e coloridos. Conheço dona Rute de vista sempre me cumprimenta com um bom dia seco e austero, mulher meia idade beirando os 50 bonita, séria religiosa e viúva. Mês passado estava trabalhando num jardim da praça ela passou me cumprimentou continuou andando parou e voltou e perguntou se eu tinha tempo para dar uma arrumada no jardim da casa dela e disse que sim e ela me passou o telefone e lá se foi dona Rute. Naquela mesma noite liguei pra ela e combinei passar no dia seguinte para fazer o orçamento. Às 9 em ponto lá estava eu tocando a campainha ela abriu a porta com um sorriso me cumprimentou e fomos pro quintal dos fundos para ela me explicar o que queria que ri fizesse, eu estava acostumado ver aquela mulher sempre de vestido cores escuras sem vida, porém naquela manhã quase não a reconheci, bermuda branca de tecido fino que dava pra perceber a calcinha escura pernas brancas com pelinhos louros e pézinhos bem cuidados seios aparentementes ainda firmes aquela visão fez minha rola acordar e minha cabeça se desviar do foco do jardim. Sentei me enquanto ela foi buscar café e logo ela voltou sentou se e começamos a conversar primeiro sobre o jardim depois a conversa partiu pro lado pessoal falei que era bem casado amava minha mulher mas as coisas já não eram mais como no começo ela ... riu e disse "é assim mesmo, quando me casei era um fogo danado depois as coisas foram mudando tudo se tornou rotina mas vivíamos muito bem, foram quase 20 anos de felicidade, hoje como estou aposentada me dedico a igreja serviços comunitário pra preencher o tempo e vou levando a vida" notei um misto de alegria e tristeza em suas palavras, "sabe de uma coisa dona Rute?" " pode me chamar de Rute, mas só aqui não na rua" ela interrompeu com um sorriso maroto e eu entendi a mensagem, "como estava dizendo Rute se me permite você ainda é tão nova bonita e desculpe minha franqueza você é sexy também" os olhos dela brilharam e ela disse " oh não fale assim e eu fico sem jeito já não tenho idade pra essas coisas" notei a falsa modéstia e aprovação e parti pro ataque "outra coisa seu jardim está muito bom a única flor que precisa de cuidados especiais é você" ela levantou se da cadeira e sentou se perto de mim e segurou minha mão calejada coma outra mão puxei sua cabeça e meti a língua na boquinha da Rute que não resistiu comecei acariciar as tetinhas com os bicos já durinhos ela abriu minha braguilha e o tarugo duro como aço pulou 19 cm de nervo grosso ela começou a punhete e a gemer abaixei as calças a mulher meteu a boca e meteu a rola na boca apertada ela chupava e punhetava e eu gemia de tesão logo estávamos pelados nos fundos da casa fudendo em cima do sofá ela abriu as pernas e eu meti a língua naquela buceta de lábios carnudos e vermelhos chupava a buceta e massageava o grelo ...
«12»