1. Palmadas para iniciantes


    Encontro: 03/10/2018, Categorias: Sadomasoquismo, Autor: madurocuritiba, Fonte: ContoErotico

    Depois da estréia de 50 tons de cinza, o grande público descobriu que o BDSM não é coisa para malucos; Apesar dos exageros, desmistificou essa forma de prazer. Mas é claro, uma coisa é fantasiar uma coisa, e outra bem diferente, fazer para valer.Como no caso da casadinha.Era uma quarta-feira. Sou programador de sistemas, e vez por outra trabalho em casa, Como moro num condomínio fechado, nossa casa fica aberta - assim como quase todas as casas - e minha cachorrinha fica bem à vontade, achando que o condomínio é o seu quintal. Meu escritório fica na parte da frente da casa, e com o rabo do olho, vi que a pet entrou na casa da vizinha.Saí correndo, mas não deu tempo - ela entrou na casa da vizinha. Bati na porta, e ela veio, linda em um pijaminha simples, segurando a cachorrinha, com um livro debaixo do braço. 50 tons de cinza. Fiz que não vi, claro, e agradeci. Ela estava sozinha, ofereceu um café.Sentado à mesa, apontei o livro e falei brincando que não sabia que ela gostava da fruta, e, para minha surpresa, respondeu- seriamente - que quem não gostava era o marido. mas que "no fundo" ela adoraria tentar algumas brincadeiras "diferentes". Disse que tinha algumas histórias do tema publicadas, se ela quisesse podia passar o link Ficou interessadíssima, me olhando como se um bicho raro estivesse na cozinha. Anotou o endereço e ficou por isso mesmo. Agradeci o café, e voltei à minha casa e ao trabalho.Na semana seguinte, num desses dias em que estava trabalhando em casa, a ... vizinha me chamou para tomar um café. Aceitei, estava mesmo precisando dar uma pausa. E assim que entrei, percebi que estava vestida como a menina da história que publiquei - vestido simples, pés descalços. E, desconfiei, nua por baixo. Dei um sorriso safado, e comentei que adorei os pezinhos no chão. Ela ficou vermelha como um pimentão, mas agradeceu. Puxei conversa sobre o site, ela disse que adorou os contos. "Especialmente os seus", acrescentou.Meio brincando, disse, "então encosta na pia e inclina a bundinha para eu ver". Com um sorriso enorme, ela fez exatamente o que pedi. Aquilo me pegou de surpresa - uma ótima surpresa, adoro mulheres decididas. Cheguei pertinho dela, segurando os ombros. "Quer dizer que você vai ser a minha putinha de hoje?". Ela mal continha o sorriso. "Sim". "Tem certeza?". "SIM", ela quase berrou. Dei uma palmada extra. "E o que queres que faça contigo?". Ela me olhou, estranhando - ainda não entende as regras. "Tudo, oras. O que tiver vontade." Dei mais uma palmada. Ela estava adorando, empinava a bundinha, pedindo por mais."Está bem. Quando quiseres que eu pare, fale a palavra 'abobrinha'. Entendeu?". Ela fez que sim. Dei uma palmada, bem mais forte. Ela soltou um "ai" e concordou. "Dar gritinhos, falar 'não' fazem parte. Para parar, o que você vai falar?". E sapequei mais uma palmada. "Abobrinha". Parei na hora, e fui para a cadeira. "O que você está fazendo? Vem, vem"."Você entendeu. Boa putinha", falei. "Vem aqui, ajoelha na minha frente."Ela fez ...
«123»