1. DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 7


    Encontro: 29/09/2018, Categorias: Amigos entre casais, Heterossexual, Autor: Carlao, Fonte: CasadosContos

    CAPÍTULO 7 ATENÇÃO ESSE É O SÉTIMO CAPÍTULO DA FASE 2 DA SÉRIE “A PIZZARIA” . ANTES DE PROSSEGUIR COM A LEITURA, LEIA, NESTE MESMO SITE, A FASE 1 DA SÉRIE ORIGINAL (A PIZZARIA), DO MESMO AUTOR. OBRIGADO. DE VOLTA À PIZZARIA CAPÍTULO 7 Após transarmos, acabamos adormecendo nus. Ao acordarmos, tomamos banho, e fomos conversar acerca do programa do dia seguinte. Então, eu pedi à Denise: —Bem que você poderia ligar pra Vera, e ver se marcamos dela ir conosco à pizzaria, amor. —E, depois você liga para o Bruno. Encerrei. Mas, ela me advertiu: —Ligar pro Bruno, tudo bem, Edu —Já que você que é o meu marido tá pedindo. —Posso convidá-lo na boa, e falar da pizzaria. —Mas pra Vera não podemos dizer que iremos à pizzaria, porque senão ela pode comentar com a vagabunda da Kátia, e aquela piranha vai desconfiar, entende? —É mesmo. —Putz. Iria dar o maior rolo se a Kátia soubesse. Argumentei. —Mas eu tenho uma ideia, Edu. —Qual? Ela foi respondendo: —A Dona Cida sabe que ela é minha irmã, e que está prestes a se mudar a qualquer momento pra nossa cidade. —Sim. E daí? Perguntei-lhe. Denise foi me explicando: —Então, Edu. —A Dona Cida está sozinha com a Silvana naquele casarão, e pediu-me pra convidar a Vera pra morar junto com a Ticiane na casa dela, até as duas se mudarem pra nova morada que irão comprar. —Hummmm. —E a Vera está sabendo disso, Denise? —Está sim, Edu. E foi dizendo: —Mas primeiro ela queria ter certeza sobre a venda do terreno em Coxim. —E agora tá acertado né? —Sim, ... Denise. Só falta o comprador, pois tá tudo liberado. —Mas o que você pretende fazer, Denise? —Vou ligar pra Vera, e lhe dizer que a Dona Cida quer falar com ela amanhã. —E daí nós vamos buscá-la logo cedo, e aqui em casa eu a convido pra irmos lá. —Lá onde, Denise? —Ah, Edu. Na pizzaria! E, brincando, pergunta-me: —Ou você desistiu? —Claro que não, Denise. —Ligue agora pra ela. Pedi-lhe. Então, Denise ligou e acertamos de pegá-la no portão da casa da Kátia, no dia seguinte pela manhã. Embora a Denise e a sobrinha não fossem mais inimigas, amizade íntima não mantinham, pois só falavam o estritamente necessário. Assim, raramente, uma ia à casa da outra, mas se cumprimentavam de maneira civilizada. Dessa forma, quando marcamos de pegar a minha cunhada no portão da casa da Kátia, alegamos pressa, e como a Vera era a maior interessada em vir logo, para conhecer a Dona Cida, de nada desconfiaria, caso não entrássemos na residência da sua filha. E, desse modo foi resolvido: buscamos a Vera na cidade vizinha, e a levamos para conversar com a Dona Cida, sobre morar lá juntamente com a sua filha Ticiane, até que ela, Vera, comprasse sua moradia em nossa cidade. Minha cunhada simpatizou-se com a idosa, porém não deixou nada certo quanto à morar na sua casa, pois tudo dependia da sua filha, Ticiane, que parecia estar gostando de ficar com a irmã, Kátia, e da pequena sobrinha, na cidade vizinha. Mas, não descartou o convite. Apenas alegou que deixaria para a Ticiane resolver essa questão, até ...
«1234»