1. Mariele nas mãos de um sádico, parte 21


    Encontro: 12/09/2018, Categorias: tortura, humilhaçao, Chantagem, escrava, Sadomasoquismo, Autor: Mariele, Fonte: CasadosContos

    Meu nome é Mariele e a minha vida se tornou um tormento desde o dia que eu fui raptada. O homem que mandou me raptar me escravizou e agora eu tenho que fazer tudo que ele mandar, senão ele pode fazer algo pra mim e minha família. Continuando de onde eu parei. O Kleber, um colega de trabalho, que agora também estava abusando de mim. E me fez chupa-lo na hora do almoço. Me falou , no fim do expediente. - Mariele, você me dá uma carona? Eu olhei pra ele e percebi que não era um pedido. - Sim, claro. Na saída, lá estava ele, perto do meu carro. Nós entramos nele e fomos embora. Na metade do caminho, ele mandou eu mudar de direção. Eu fiquei assustada quando ele mandou eu entrar num motel. - Isso aqui é um motel, o que nós estamos fazendo aqui? Ele olhou pra mim e deu uma risada. - Ah Ah Ah. Adivinha. - Não, Kleber. Não podemos entrar aqui. Por favor. - Por favor é o caralho. Entra logo. Ou... Sem saída eu entrei no motel. Estacionei numa das garagens, eu estava tremendo de nervosa. Então ele saiu e mandou eu segui-lo. Mas eu não consegui, fiquei paralisada. Então ele abriu a minha porta e me puxou pelos cabelos. - Aaaaaaaiiiii Ele me arrastou pra dentro do quarto. - Tira a roupa aí Eu ainda estava paralisada, então ele me deu um soco no estômago que me derrubou, aí ele me deu vários chutes - AI AI AI AI AI Depois ele me ergueu e rasgou a minha roupa me deixando nua. - Agora me chupe, senão vai apanhar mais. Eu estava muito assustada com a violência dele que obedeci hora. Eu ... coloquei o seu pau na minha boca e comecei a chupar. De repente ele agarrou a minha nuca e socou seu pau bem fundo até a minha garganta. Eu sufoquei e o tirei. Aí eu fiquei tossindo um pouco. Enquanto eu tossia, ele me deu um tapa na cara que me deixou no chão. Quando eu percebi, ele estava amarrando as minhas mãos com os pedaços da minha roupa que ele havia rasgado. Ele foi tão rapido, que eu não pude oferecer nenhuma resistência. Agora eu estava amarrada com as mãos atrás das costas, e quando olhei para ele, eu me assustei muito. Ele estava com um olhar perturbador, parecia outra pessoa. Aí ele socou seu pau na minha boca novamente e ficou podendo ela com violência, muitas vezes socava até a minha garganta e deixava lá só pra me deixar sem ar. Eu me debatia toda desesperada enquanto ele ria. - AH AH AH AH AH, que foi, tá sem ar? Quer respirar? Ele tirou o pau da minha boca e ficou dando tapas na minha cara. Plaft Plaft Plaft Plaft. - AI AI AI AI PARA PARA POR FAVOR. AI AI AI. Aí ele me jogou no chão. - Agora vira a bunda pra mim, e empina bem esse rabão que eu tô louco pra meter nele. Eu me virei como pude, mas não consegui ficar do jeito que ele queria, então ele pegou o cinto e me deu várias cintadas na bunda e nas minhas coxas. - Aaaaaaaiiiii Aaaaaaaiiiii Ele me bateu só por maldade mesmo . Aí ele me pegou pelas ancas e levantou a minha bunda, deixando ela bem empinada e o meu rosto colado no chão. - É assim que eu queria. Agora abra bem as pernas. Imediatamente eu as abri. ...
«12»