1. Sem nome.


    Encontro: 04/09/2018, Categorias: Gays / Homossexual, Zoofilia, Autor: Bruno, Fonte: CasadosContos

    Há um tempo minha mãe começou a alimentar um cachorro de rua. Era um bicho parecido com um pastor alemão, porem um vira latas. Conforme o tempo ia se passando ele, o cão ia ficando cada dia mais intimo de todos em minha casa, em especial a mim, que de uns tempos para cá comecei a trata-o com mais carinho. Logo depois de ter chegado da escola e almoçado, como era costume em todas as terças feiras, minha mãe se aprontou para ir prestar seu trabalho voluntario e quando eu fechava o portão para ela, o cachorro apareceu e ela toda cuidadosa me disse que se fosse chover, era para eu recolhe-lo na garagem. Na sala assistindo tv, comecei a ouvir trovões e minha mãe liga dizendo que era para ver se o cão ainda estava lá e que era para recolhe-lo antes da chuva. Abri o portão e ele parecia estar me esperando, não precisei nem chama-lo, ele entrou e se deitou próximo ao portão. Do sofá eu o via ali deitado e me chamou a atenção vê-lo que não parava de lamber seu pau. Curioso e sozinho em casa, me aproximei do cão que ao me ver já abanou o rabo, me abaixei ao seu lado e comecei a acaricia-lo, coisa que ele parecia estar gostando muito. Enquanto o acariciava não tirava os olhos do seu pau e como já disse, a curiosidade veio à tona. Delicadamente fui deslizando meus carinhos pelo seu corpo até que cheguei a seu pau. De inicio apenas acariciei e como percebi que o bicho gostava, resolvi dar uma arregaçadinha, foi quando vi a ponta do seu pau vermelho, nesse mesmo instante, o cão se ... levantou, mas estava bem à vontade, abanava o rabo e parecia querer brincar comigo. Deslizando a mão novamente, fui até seu pau outra vez, quando arregacei aquele pau, o cão começou a se movimentar como se estivesse metendo em minha mão, aquilo me deixou com um tesão absurdo e de pau duro. Então começou a chover, morrendo de tesão naquele bicho, tranquei bem o portão e me livrei da bermuda, enquanto a tirava, o cachorro, já fungava com o focinho em minha bunda, não sei se sabendo o que eu queria, mas me deixando mais louco ainda. E cheio de tesão e coragem, me coloquei de 4 no chão e imediatamente senti seu focinho em minha bunda, separei as nádegas e senti sua língua áspera lamber deliciosamente meu cuzinho, que já piscava se dilatando, esperando para ser comido. Então o cão montou em mim, subiu em minhas costas e ao mesmo tempo, seu pau ainda pequeno, porem duro, espetava meu saco e outras partes de minha bunda, até que entrou. Alucinadamente aquele bicho metia seu pau em meu cuzinho, eu começava a ir ao delírio, quando senti que seu ritmo alucinado diminuía e seu pau começava a crescer sem parar em meu cuzinho, divinamente eu me punhetava, ali de 4 na garagem de casa, enquanto o pau daquele cachorro crescia dentro de mim, assim foi até que ele parou e apesar do tesão que sentia com aquela pica em mim, sentia também um ardor, pois ela estava me rasgando. Percebi que estávamos engatados e aquele pau dentro de mim me enchia cada vez mais de porra e eu me controlava para não gozar, ...
«12»