1. Grávida, meu irmão me satisfez os desejos que meu marido não deixara de fazer!


    Encontro: 13/09/2017, Categorias: Incesto, Autor: camaleaovip, Fonte: ContoErotico

    O desejo de uma mulher grávida, tem sempre sido levado em conta, pelas pessoas que acham, não se deve contraria-lo, para que o bebê não tivesse nenhuma "sequela". Se valendo dessa crendice, muitas mulheres, aproveitam esse estado de prenhez, para se fartar com pedidos de querer, coisas, que normalmente não pediria. Coisa até bizarras. Meu marido, sempre me alertou, que não acreditava em nada disso. Grávida, como estou, já com meus sete meses de uma bela barriguinha, sempre me mantive alerta e por mais que tivesse desejos de alguma coisa, procurava não citar nada disso, a não ser para minha mãe e meu irmão, que me satisfaziam as vontades.Otávio, meu marido, trabalhava muito para mantermos uma vida razoavelmente boa, tinha dois empregos mas não ficava muito tempo fora de casa, o que não atrapalhava o nosso relacionamento. Estava feliz com o fato de ser pai, e me cobria de mimos, sem que eu pedisse nada e sempre me perguntava se eu estava com vontade de alguma coisa. Me mantive ciente de que ele me fizera um alerta e por isso nada dizia. Meu marido, não gostava que eu ficasse sozinha, quando ia trabalhar em outra cidade e por isso me mandava para a casa de meus pais.Mamãe adorava quando eu ia para lá, ficar com eles. Ficava acariciando minha barriga, falando com o ser que eu levava dentro dela e era legal ver as interações que haviam entre ela e o bebê, pois ele se remexia muito quando ouvia a voz dela. Raul, meu irmão era o que menos me acariciava a barriga quando eu pedia, ... ele dizia que era coisa de mulher e do marido dela. Me evitava e eu não me conformava com a situação. Uma manhã, estava me banhando, alisando minha barriga e uma forte desejo de trepar me ocorreu. Visualizei, cenas de passado, onde meu marido, me dava seu pau, gostoso para chupar, coisa que já não fazia, pois achava que eu não devia ficar excitada e dai querer foder e no meu estado acreditava que um parto prematuro poderia ocorrer pela excitação forte, que exerceria mediante as contrações do útero. O caso é que eu, gostava demais de mamar numa bela pica e estava louca para fazer isso. Me enxuguei, passei um pente nos cabelos e depois de prender a toalha acima do busto, me dirigi para meu quarto. Ao passar pela porta do quarto de meu irmão Raul, ouvi um som repetitivo, que era o ranger da cama, voltei e encostei o ouvido na madeira, quando um grito se fez ouvir. Curiosa, me agachei e pela fechadura eu tentei ver o interior do aposento, mas me era impossível ver alguma coisa. Como a curiosidade feminina é a audácia que rege a nossa vontade, toquei na maçaneta e a porta se abriu sem ruido me presenteando com uma pequena fresta, mas que me possibilitava a visão do que ocorria sobre a cama de meu irmão. Ali estava meu irmão, se exercitando, atrás do corpo de uma jovem, nua, que de quatro se entregava a um dolorido sexo anal, onde apesar da dor que sentia, jogava a bundo de encontro ao pau de meu irmão. Ver aquela cena me levou a um estágio de excitação, que até meu neném sentiu e se ...
«1234»