1. Ligados Ao Passado - Capítulo X


    Encontro: 27/02/2019, Categorias: Gays / Homossexual, Autor: Caio Lohan, Fonte: CasadosContos

    no baú e uma toalha. Ao chegar à sala ele cobriu o corpo de Ender com os cobertores e com a toalha secou os cabelos que ainda estavam úmidos. Depois disso ele deitou-se ao lado de Ender e começou a massagear o seu corpo de forma leve, mas centrada de modo a aquecer o mais rápido o corpo dele. - Dobby! Deite-se aqui também, rápido! – Apesar de ser algo não muito convencional de se fazer, Nuno exclamou por ajuda a Dobby, ele sabia que somente o seu próprio calor (quase inexistente) não seria o suficiente para elevar a temperatura de Ender. Dobby que até então estava sentada e acompanhava os movimentos de Nuno com total atenção e silêncio, ao ouvir seu dono a chamando, compreendeu exatamente o que ele queria e deitou-se do lado direito de Ender com a cabeça sobre o cobertor bem em cima do peito dele. Nuno estava com um termômetro digital e monitorava constantemente a temperatura corporal de Ender. Cada minuto pareciam horas e horas de tormento. Ao iniciar todo esse processo, Ender estava com uma temperatura de 31,1° C. Após cerca de 10 minutos de trabalho intenso de Nuno, que talvez pela constante movimentação ou pelo puro desejo de pelo menos uma vez na vida poder proporcionar calor a outra pessoa, estava começando a suar embaixo dos cobertores. Isso serviu para que a temperatura de Ender subisse grau por grau. Por fim, quando a temperatura dele alcançou 34,3° C, Nuno saiu debaixo dos cobertores e foi até a cozinha acender o fogo a lenha para que a casa também esquentasse um ...
    pouco e também esquentar um pouco da sopa que havia feito para simplesmente preencher o vazio em seu estômago. Após colocar a sopa para ferver Nuno decidiu fazer um pouco de chá de hortelã, o cheiro do chá e o sabor sempre o acalmou quando era criança quase sempre Amaya fazia para que ele pudesse dormir mais rapidamente. Ele encostou suas costas na parede e fixou seus olhos nas chamas do fogão. Aos poucos suas pernas foram cedendo, aos poucos ele foi caindo em um abismo novamente. Quando por fim sentou-se no chão, suas lágrimas escorriam pelo seu rosto... “10 anos sem uma lágrima sequer me escapar... 10 horas com você aqui e já chorei por um mês inteiro... Raiva, dor, tristeza, alegria, alívio, culpa, remorso, amor, indiferença, importância, calmaria... Tantos sentimentos em tão pouco tempo... Você não mudou nada, sempre me afoga em meio a esse turbilhão de sentimentos. Engraçado como você ás vezes me deixa a flutuar embalado pelo balanço desse imenso oceano desconhecido que é a vida e às vezes me afunda nesse oceano escuro que também é a vida”... Nuno somente despertou de seu estado quando um som de asas batendo ficou audível aos seus ouvidos e um leve crocitar de aviso foi proferido. Ele ergueu seus olhos e esticou seu antebraço. Nagini, calmamente pousou e ficou olhando para Nuno com suas garras cravando na pele morena dele. Isso estranhamente trazia a Nuno uma sensação de realidade, como se as garras fossem suas ancoras neste mundo. Ele alisou a cabeça de Nagini com a outra ...