1. outra vez no sítio


    Encontro: 19/02/2019, Categorias: Anal, Oral, Gays / Homossexual, Autor: jopinhe, Fonte: CasadosContos

    Tenho muitos tios e a maioria deles mora no Interior e tem sítios, uns grandes, outros menores, porém todos com igarapés, de modo que temos diversas opções nas férias escolares. Desde que iniciei meu trajeto sexual, em poucas oportunidades, durante as férias, deixei de experimentar alguma rola que pude apreciar, algumas que deixaram saudades outras nem tanto. Numa dessas aconteceu de encontrar o Rafael, filho do caseiro de um tio, que participou de algumas aventuras ao meu lado, permitindo que ambos tivéssemos muito prazer juntos. Rafael era moreno claro, forte, cabelos negros e curtos, e, detalhe agradável, dono de uma pica de quase 20cm, ainda que tivesse apenas 16 anos, três mais velho que eu, nessa época. Ajudava o pai nas tarefas do sítio e minha tia gostava muito dele, por ser atencioso e prestativo. No ano em que estivemos lá Rafael cuidou de nos enturmar com os meninos das proximidades, eu e meus irmãos menores, o que agradou meus pais, de forma que todos nós gostávamos dele. Dormíamos, ele e eu, no mesmo quarto e eu passei a namorar seu cacete, pois não controlara a curiosidade e, percebendo a mala que se formava entre suas pernas, em pelo menos duas oportunidades consegui ver a rola ‘ao vivo’ e em cores: uma quando ele saía do banho e a toalha que usava na cintura caiu antes de vestir a cueca; e a outra quando estávamos no igarapé e ele, julgando que ninguém o visse, pôs-se a urinar atrás de uma árvore – eu o via de perfil lá próximo e me extasiei com a visão de ...
    seu membro cor de jambo. Nesse tempo eu já dava a bundinha pro colega da escola, estava viciado naquela rola gostosa e a separação causada pelas férias me deixava com saudades, daí eu sonhar com ela entrando em mim quase todas as noites. Rafael deve ter escutado quando em sonhos eu murmurava alguma coisa relacionada às minhas aventuras na Capital. O certo é que ele descobriu que eu gostava de pica e de dar o cuzinho, tomando a decisão de ser mais um a também comer minha bundinha. A maioria dos garotos nessa idade tem receio de tomar qualquer iniciativa no que se refere a sexo. Com alguém do mesmo sexo às vezes é ainda mais receosa. Não era o caso de Rafael, com certeza. Não havia uma semana que estávamos no sítio e ele, durante a sesta de uma segunda-feira, se aproximou de mim, num momento em que estava sozinho no alpendre. Comentou que seguindo o curso do igarapé havia uma cachoeira que eu precisava conhecer. Cheguei a dizer que iria falar aos meus pais, mas ele cortou imediatamente e disse que eles não precisavam saber, pois não era muito conhecida e poderiam nos proibir de ir lá com medo de cobras e outros animais. Perguntei então se o lugar não era perigoso, mas ele negou, pois já estivera lá antes várias vezes e nunca vira qualquer animal além de uma ou outra paca das que havia no sítio. E emendou perguntando se eu não gostaria de ir lá. Senti seus olhos brilhando e concordei. Só me assustei um pouco quando ele falou que “tem de ser agora”. Fui ao quarto que dividia com ...
«1234»