1. Despedida da ex-colega rabuda


    Encontro: 11/02/2019, Categorias: Metendo, colegas, Trabalho, Anal, Hetero, Heterossexual, Autor: Gaúcho, Fonte: CasadosContos

    Todos os dias ela adentrava no escritório, dava bom dia pra cada um, abri todas as cortinas e subia pra sua sala, de frente pro café. Mariana era a secretária do meu chefe, e assim como eu, não ia com os cornos dele, pelo simples fato de ele ser escroto. Um tipo antigo de homem, que comentava sobre a bunda das colegas sempre que se afastavam, o pessoal ria, mas porque era chefe, sem deixar de ser imbecil. Éramos bons colegas, amigos mesmo. A simpatia dela não era ofuscada pelo fato de não ser tão bonita assim, mas o corpo meus amigos... era mignon, com uma bunda descomunal e sustentava o hábito de postar fotos bisonhas no Instagram, algumas com o bumbum empinado, biquíni e o que fosse curto. Sempre que postava o pessoal comentava pelos cantos e os caras replicavam no grupo do whats dos colegas da empresa. Os comentários eram sempre: pena o rosto, ou pena que é fubanga. Era tão gente fina que quando pediu demissão, percebemos o quanto nos divertia. Saiu de supetão, sem contrapropostas, sem e-mails de despedida, jantar, nada. Alguma coisa parecia ter acontecido com Mari. Alguns dias depois, ela veio à empresa e compareceu ao RH para o acerto das contas, pegou o restante do pagamento e aí sim, finalmente, despediu-se de nós. Antes de sair, passou na minha mesa se nós íamos almoçar no lugar de sempre. Respondi que ia e pediu que fosse sozinho sem o resto da galera porque não queria dramas. A empresa fica perto do restaurante, então fomos a pé, conversando. Surgiu o assunto do ...
    chefe e suas escrotices, e ela concordou com os demais, dizendo que o detestava e achava ele tarado e abusado. Foi justamente essa a causa da demissão, contou. Exigiu que ela mandasse nudes. Eu ri, porque achei que era piada mesmo, mas ela seguia séria, me perguntou se eu já notei os olhares dele pras garotas. Falei: - Olha Mariana, não vou mentir, ele comentava sobre todas, mas a teu respeito ele falava sempre das calças, dessas que tu usa e empina o rabo. - Credo Rô! Nunca te vi falando assim. - Ficou vermelha. - Desculpe, Mari, mas são as palavras que ele usava. Comentava sempre chamando de rabo. - E o pessoal, o que dizia? - Concordavam ué. Ele era o chefe, e com todo o respeito, tinha razão. - Como assim tinha razão? Vocês olhavam? - Discretamente, sem ofensas. Caminhamos mais alguns metros até o restaurante, e subindo a escada pro segundo patamar, ela acelerou pra ir na frente. Andei dois degraus atrás, e ela retornou ficamos quase grudados, na saída da escada ela desacelerou e demos uma pequena esbarrada e pude sentir aquela carne tenra, compacta dentro de um jeans elástico totalmente esticado, quando senti o perfume barato e sedutor que usava. Ela tinha namorado e eu também, por isso considerei a esbarrada um acidente. Entramos na fila do buffet por quilo, e eu tentei levar o assunto pro cotidiano, falando dos outros colegas, mas o assunto que ela queria era mesmo outro. - Tu olhava mesmo pra minha bunda? - Esquece esse assunto. Olhei discretamente quando o pessoal ...
«1234»