1. O Presente da Minha Mãe Pela Boa Nota do TCC


    Encontro: 11/02/2019, Categorias: Incesto, Autor: detetivemosby, Fonte: ContoErotico

    Olá, me chamo Leonardo, no conto passado falei de como fodi minha mãe de madrugada depois de um ótimo conselho de um amigo, enquanto meu pai estava dormindo e se recuperando no quarto de um acidente que sofreu de carro. Bom, se passou alguns dias e ele já estava bem melhor e não precisava tanto da ajuda da minha mãe, o que nos deu tempo de muitas rapidinhas durante o resto da semana.Estava chegando o dia de apresentar meu TCC, finalmente, o tão aguardado momento para me livrar da universidade estava chegando, teria tempo livre suficiente para transar com minha mãe, já que ela era aposentada pelo INSS e fazia só os deveres de casa e fodia comigo. Acontece que na semana da minha apresentação, meu pai viajou para ficar uns dias com a família dele em outro estado pois um parente havia falecido e só tinha passagem de ônibus para esse fim de semana, eu não podia ir por conta da apresentação e minha mão não queria me deixar só em casa, ‘com medo que eu levasse mulher pra dentro de casa.’ ele aproveitou e se desculpou comigo por não poder ir ver meu TCC e nem ficar para o Natal conosco. Eu falei “Relaxa, pode ir, só quero que no dia da colação de grau você esteja lá. OK?” e ele faz que sim com a cabeça e sai para ir à rodoviária. Sinceramente, eu não achei nem um pouco ruim ele passar o natal longe da gente, pois era mais tempo e lugar para foder minha deliciosa mãe.Chegou o dia e apresentei o TCC, minha mãe e alguns amigos assistiram, tirei 8,5 (Só não fui mais produtivo por estar ...
    transando com minha mãe tanto que eu não pensava mais em nada, o que eu faria de novo sem pestanejar). Saímos e fomos pra um bar, bebemos um pouco e eles continuaram, enquanto minha mãe e eu fomos pra casa.Chegando lá, ela já vai tirando a roupa e indo ao banheiro, falando “Meu bebê já está virando um homenzinho terminando a faculdade, vem aqui pra eu te dar meu presente pela nota.” Eu fui correndo e me despindo, até chegar no banheiro e a vi nua, embaixo do chuveiro, começando a tomar banho. Andei até lá e senti a água caindo pelo meu corpo, enquanto acaricio o dela bem devagar, minha rola roçava em sua bundona, que não demorou muito a já ficar dura. Eu apertava seus seios como se quisesse ordenha-los, ela apalpava minha bunda e ficava gemendo palavras como “Isso, aperta mais. Tá gostoso. Humm. Que delicia filhão, vai, enraba a mamãe.” E eu falava no seu ouvido ”Você é uma puta, sua cachorra.” “Ai, me chama de puta, de vagabunda, eu adoro quando me chama assim.” Ela responde se esfregando em mim, até que sinto a cabeça do meu pau entrar em sua buceta de tanto ela se esfregar e o resto do movimento foi involuntário. Ela geme quando meu cacete entra todo de uma vez “Ahh, PUTA QUE PARIU!” e eu começo o movimento de vai e vem, devagar, enquanto apertava seus peitos, que mal cabiam em minhas mãos. Senti as estocadas quando minha virilha bate em sua bunda, espirrando água pra todo lado e eu comecei a ir rápido, ela falava “Caralho, isso, vai, mais, puta que te pariu.” E eu respondo ...
«123»