1. Pra Sempre Você! Capítulo 29


    Encontro: 11/01/2019, Categorias: Gays / Homossexual, Gays / Homossexual, Autor: Daniel R.M, Fonte: CasadosContos

    Eu estava tentando me concentrar no momento presente,estava disperso no tempo,Felipe se afastava de mim,ele estava indo embora e cada vez mais longe, eu cai no chão e comecei a chorar desesperadamente…uma mão me acordou do meu pesadelo. Era Felipe, ele me olhava curioso,mas com um sorriso nos lábios,não pude me conter em abraçar ele. — O que foi? — Eu tive um sonho horrível, você estava indo embora. — Falipe estava calmo. — Eu nunca vou deixar você,entenda você não vai se livrar de mim tão fácil. — Ele me deu um soco leve no queixo. — Se você me deixar eu morro. — Abraçei ele mais forte. — Você sabe que não vai morrer,é o tipo de chantagem que todos fazem, mas no final eles continuam vivos. — Ah cala a boca. — Mordi o pescoço dele. Ele sorriu me jogando na cama e se deitado em cima de mim,seu corpo era quente como um vulção. Ele mordeu meu pescoço forte,senti seus dentes gravarem minha pele,não era uma coisa natural que as pessoas fazem,eu fechei os olhos, ele lambia o local onde ele mordeu. — Seu sangue, ele é doce assim como você. — Falou ele me beijando,eu senti o gosto metalico do sangue na minha boca. — Você é estranho, já te falaram isso? — Muitas vezes. — Ele beijou meu ombro. Ele me deixava tonto toda vez que me tocava,isso nunca mudou. — Eu te amo. — Falei eu tinha certeza que foi baixo o suficiente,mas alto para ele ouvir. Então percebi que ele estava dormindo,dormindo em cima de mim, eu ri, relaxei ouvindo sua respiração,ora rápido, ora lenta,adormeci. Acordei e ...
    o quarto estava todo escuro, era inverno então o frio predominava,o vento fazia zumbidos. Me levantei e fui para o banheiro, no meu pescoço estava um roxo horrível, e as marcas de dentes de Felipe no meu pescoço, eu toquei estava dolorido,eu sorri incredúlo,peguei um band-Aid e coloquei no ferimento. — Você me paga Felipe. Desci,felipe não estava,encontrei uma carta na mesa. *Amor,precisei sair,não saia de casa por faço. _Felipe. Tentei não achar isso estranho, até porque não era,se tratando de Felipe, isso era normal. Fui para a cozinha, o café estava na mesa. *Ps:Preparei algo para você. Tomei o café e comecei a andar pela enorme casa,eu explorei cada canto da casa,quartos,banheiros,biblioteca,e mais quartos e estava no escritorio,estava uma verdadeira bagunça eu não sei como Felipe podia ser tão desorganizado. Peguei os papeis na mesa,era alguns recibos,cheques com uma sona realmente enorme, o nome que assinava era famíliar para mim. Depois que ele começou a trabalhar para o pai ele tem passado tanto tempo com esses papeis. Coloquei tudo em ordem. — O que está fazendo? — Felipe me assustou. — Amor,você já voltou. — O que você faz com as minhas coisas? — Nada,eu estava arrumando. — Ele pegou pelo meus ombros e os apertou. — Eu não gosto que ninguém mexe nas minhas coisas. — Ele gritava. — Eu não fiz por mal,você está me machucando Felipe. — Ele não me soltou, ele me olhava com raiva,eu estava com medo. — Nada aqui é da sua conta. — Felipe você está me machucando. — Ele me ...
«123»