1. Esther sendo Kah - 4ª parte


    Encontro: 11/01/2019, Categorias: Incestuosa, tarada, Coroa, Casada, Heterossexual, Autor: Safadex1978, Fonte: CasadosContos

    Minha cabeça não raciocinava mais: Kah não me dava bola, Esther brincava comigo. Passei dias cortando volta da casa dela depois do último episódio, e quando a via, mudava a visão para o outro lado, ou fingia que não via, Kah, continuava a me torturar e a não me dar bola, dito isso, passei a ficar na minha, brincando com as vizinhas e quando não um remenber com a ex namorada, passei a ficar mais fora do entorno de casa, é claro, ainda morrendo de desejo, vontade, amor e tesão pela kah, mais sem perseguir o sonho, estava mentalmente exausto. Os dias foram se passando e eu na rotina facul, casa, casa, facul, e em um dia destes não tive como escapar, ao sair de casa, a menos de 5 mtrs do portão com o carro parado ela me esperava, me olhou com cara de "brava" e me mandou entrar, perguntei o porquê, ela me olhou mais brava ainda e disse que se eu não entrasse ia contar para o marido dela o que aconteceu, eu, pouco preocupado disse "ahh tá" e continuei a andar, mesmo assim ao ve-la, meu tesão foi a mil, meu pau endureceu porque até então tinha sido bommm demais, ela ligou a camioneta e veio atrás, buzinou e então eu entrei, o sangue de uma cabeça para outra me deixou de miolo mole, mas de pau duro bemmmm duro. Entre e sem ela dar uma palavra peguei na mão dela e levei pra cima do meu pau e disse: Se vc quer brincar, vai brincar do modo que eu dito", ela mordeu o lábio e eu emendei: "como me deixa lá, de pau duro depois do que fez", ela riu e falou: "era somente para você ter o ...
    doce", e continuou a rir, vi depois disso que se tratava de uma mulher exoticamente safada, que gostava sim do contexto, ela ganhou a rodovia, não dizia nada, me olhava com carinha de tesão, pegava no meu pau e apertava e eu só pensa no que ia acontecer, meio a surpresa, pois estudante não tem dinheiro para, me levou para o motel, sem pensar duas vezes, desci assim que ela parou, fui a sua porta, abri e a peguei pela mão e lhe tasquei um beijo daqueles de rancar suspiros fortes, minhas mãos foram aos seus seios, descendo ao corpo indo a cintura e uma a outra revezando a bunda deliciosa que ela tinha, puxava, apertava, abria puxando uma para cada lado enquanto ela me mordia o pescoço, me beijava e gemia, queria deixar ela bem tesuda antes de provar cada cm daquele corpo gostoso. Peguei-a pelas mão, abri a porta e a coloquei na minha frente para entrar, assim podia apertar seus seios, morder seu pescoço e sarrar aquela bunda linda, entramos e eu a puxei para mim, fechando a porta e disse a ela: "eu vou querer sempre mais", ela "eu que vou", sei que o cheio era de sexo, tirou minha camisa, desabotoou minha calça, assim que o fez deitou na cama me dando tempo de tirar meias e sapato e ficar quase nu, tirei e fui pra cima, tirando seu tênis, ela vestia uma leg, um top, sem sutiã, e só com uma calcinha, soube depois que desculpa de estar ali é que ia na academia, votei a beijar e entre boca e mordidas abaixei os top e cai de boca nos seios, duros de tesão e condizentes com a idade que ...
«123»