1. Meu sonho (continuação)


    Encontro: 11/01/2019, Categorias: Sexo, Heterossexual, Autor: cads21, Fonte: CasadosContos

    MEU SONHO (CONTINUAÇÃO) Você levantou e foi se lavar. Fiquei ali estático procurando por algo para apoiar-me. Aos poucos, fui desfalecendo até sentar no sofá. Minhas pernas tremiam, os espasmos eram involuntários por todo o corpo. Um calor repentino tomou conta de minha cabeça, minha visão escurecia aos poucos. Assustei e pensei num palavrão, p. q. p., Estou desmaiando de prazer. Enchi o peito de ar para oxigenar meu cérebro, aos poucos fui voltando a normalidade e não demorou para o suor brotar na cabeça e banhar meu rosto. Caralho, gozei com força. Levantei e fui tomar um banho. Enquanto a água relaxava meu corpo, minha mente vagava em ideias de como faria aquela puta gozar horrores. Na sala, tinha ficado a seu mercê, vulnerável a sua investida. Não tive como estabelecer uma guarda, foi tudo surpreendente. Ela teve a surpresa a seu favor e como ela pediu mais, foi como entrar num grande restaurante, pedir o garçom para chamar o chef e dizer: surpreenda-se. Ela tinha feito as entradas, tinha que preparar o prato principal. Saí do banheiro, a porta do quarto estava semi encostada. O quarto mais escuro de costume, exalava uma fragrância que ainda não tinha cheirado. Passei pela porta em direção a cozinha e vi a silhueta de seu corpo sobre a cama. Fui até a geladeira e numa tigela, coloquei várias pedras de gelo. Apaguei todas as luzes do apartamento ainda acesas. Entrei no quarto sem fazer ruído, deparei com aquela cena, ela estava de bruço sobre a cama e se vestia apenas ... de uma calcinha preta cavada realçando ainda mais sua bundinha empinada. Sua respiração, dava a entender de que adormecera, na verdade, ela toda pedia: surpreenda-se. Coloquei uma pedra de gelo na boca e chupei enquanto apreciava a cena. Quando a língua estava quase dormente, ajoelhei aos pés da cama e beijei seus calcanhares sobrando aquele arzinho frio em direção as batatas da perna. Ela arrepiou, seus músculos contraíram e suspirou: huuummm, que delícia. Com a ponta da língua, percorria o contorno de seus pés. Quando minha língua voltava a temperatura normal, tomava na mão uma pedra, colocava na boca e continuava o processo. Com os dedos gelados, percorria sua panturrilha, tendão e batata. Mordia e lambia seus pés, levantei suas pernas e chupei cada dedo. Estava com pau duro diante daquele clima, coloquei minha cara entre seus pés e reproduzi uma falsa masturbação aproveitando para passar uma pedra de gelo na planta de seus pés. Voltei suas pernas à posição normal, ajoelhei na altura de seu joelho e trabalhei o gelo nas suas coxas e bunda. Ela mordia o travesseiro todas as vezes que chegava com o gelo nos seus grandes lábios e subia pelo rego até o fim da coluna. Estava judiando quando tentava introduzir uma pedra de gelo e deixava que ela o empurrasse para fora. Coloquei um travesseiro debaixo de seu quadril para que sua buceta ficasse exposta sem a proteção das nádegas. Subi para o meio de suas coxas, distância suficiente se eu quisesse meter meu naco na sua xoxotinha. ...
«12»