1. Laços Do Destino - Capítulo 25: Novos caminhos...


    Encontro: 10/01/2019, Categorias: segunda fase, Gays / Homossexual, Gays / Homossexual, Autor: Daniel R.M, Fonte: CasadosContos

    pra tudo, eu só quero te proteger. — Ele disse baixinho, mas foi o suficiente pra mim ouvir. Me afastei dele, eu não queira passar uma imagem errada, ele é meu amigo agora. — Olha Robert… — Não fala nada, você só precisa sair hoje, para dançar, você não gosta de dançar? — Ele estava sorrindo, eu me derretia toda vez que ele sorria. — Bem, eu gosto sim, mas… — Então é isso, vamos sair pra dançar. — Ele me pegou pelo braço e me puxou pra fora do quarto. — Robert o que esta fazendo? — Oras te levando pra dançar. — Ele sorria, como se estivesse se divertindo com a minha cara de espanto. — Mas eu… — Não se preocupe com nada, você confia em mim? — Naquele minuto eu sabia que podia confiar minha vida a Robert. — Confio, confio em você de olhos fechados. Eu não sei oque estava acontecendo comigo, toda vez que eu via ele meu coração acelerava duas vezes mais, minhas mão suavam e meu dia ficava perfeito, mesmo se tivesse um machado rachando minha cabeça em dois, se eu visse Robert, eu não ia sentir nenhuma dor. Ele tem algo nos olhos dele que eu gosto, algo que eu nunca tinha sentido antes. Por outro lado, eu não poderia me trair assim, não posso mentir, eu ainda amo Pablo ele ainda ... me deixa nervoso quando me abraça, mas ele me machucou tanto antes. Coisa que Robert não faria, eu vejo isso nele. Por outro lado, eu não conheço Robert como conheço Pablo, eu não conheço ele desde que éramos crianças, porém, eu confiava em Pablo, mas ele me traiu. Eu não quero usar Robert como um analgésico contra dor, eu não quero usar ele pra apagar o amor que sinto por Pablo, machucar Robert é a ultima coisa que eu quero fazer na vida. — Vítor? O que foi? Está tão calado. — Eu só estou pensando, você não sabe o quanto me faz bem. — Eu não queria que as minhas palavras tivessem outro significado pra ele, nem queria dar esperanças a ele, no fim Robert é bom demais pra mim. — Que bom ouvir isso, sério você salvou meu dia. Estávamos no carro dele, eu não perguntei pra onde ele estava me levando, no fundo eu não me importava nem um pouco. — Eu não vou te sequestrar, mesmo achando que você precise. — Eu ri. — Muito obrigado então. — Sorrimos. Eu não sabia se estava fazendo a coisa certa, ficar sozinho com um cara que eu só conheço de vista. E derrepente somos melhores amigos, mas eu sou Vítor Junior, eu confio em qualquer estranho que me der a mão, e esse é meu pior defeito.
«123»