1. Tio e sobrinha brincando de cabra cega


    Encontro: 10/01/2019, Categorias: Incesto, Autor: kaplan, Fonte: ContoEroticoComBr

    (escrito por Kaplan) Já apresentei a vocês a Lilian, irmã da minha amiga Julia, personagem de muitas histórias contadas por mim ou por ela mesma. Pois bem, depois que descobriu que Julia transava com o tio, Lilian não perdeu a ocasião para seduzi-lo. O que, aliás, foi facílimo… aquele tio safado estava pronto para tudo, principalmente com as duas irmãs, de quem sempre gostara muito. E agora, passara a gostar mais ainda, pois as duas lhe proporcionavam momentos de indiscutível prazer. E teve um dia que a Lílian foi visitá-lo, com planos, claro… e ele, sabendo o que ela desejava e que ele também ficara interessado, propôs a ela uma brincadeira, para esquentar o ambiente e criar bastante clima de tesão entre eles. – Lilian, lembra de quando vocês eram pequenas e brincavam de cabra-cega? Hoje em dia as crianças não brincam mais disso, só querem saber de joguinhos eletrônicos, mas anteriormente havia essas brincadeiras. – Eu lembro sim, tio, aliás, eu morria de aflição quando a gente brincava lá na fazenda, quando eu era a cabra-cega rodava que nem uma perua e nunca conseguia pegar ninguém! A Julia e os meus primos sempre conseguiam me pegar ou pegar uns aos outros, mas eu nunca, nunca consegui pegar ninguém. – Vamos brincar aqui em casa? – Jura? Acha legal? – Olha, aqui você só não me pegará se for muito ruim mesmo, afinal o espaço é pequeno! – Está bem, mas você vai ser o primeiro. Arruma um lenço para eu vendar seus olhos! Ele pegou um pano preto e amarrou firmemente, vendando ... seus olhos. Então ela começou a se esconder. Começaram na sala, ela tinha ido para um dos quartos, ele foi tateando até chegar no outro quarto e ela, então, correu para a sala e se escondeu atrás da cortina. O tio rodou os quartos, o banheiro, a cozinha e não achou. Voltou à sala e teve a certeza de que ela estaria atrás da cortina, único local que ele não pesquisara anteriormente. De fato, lá estava ela. Gritinhos de alegria, risos e então foi a vez de ele vendar Lílian e tentar se esconder dela. Fez algo parecido com o que ela tinha feito. Ficou na cozinha, vendo ela tatear pela sala e depois se dirigir pelo corredor para os quartos. Então ele, sorrateiramente, voltou para a sala e ficou sentado no sofá, rindo, esperando que ela retornasse. Ela chegou, desesperada. Já tinha percorrido todos os ambientes do apartamento e nada do tio. Tateando, voltou ao sofá para sentar e pensar onde ele poderia estar. E ele posicionou-se de tal forma que ela sentou-se no colo dele. Mais gritinhos, mais risos. – Não acredito, seu safado… você ficou aqui na sala o tempo todo? – Não, eu fiquei na cozinha, depois que vim pra cá. – Me enganou direitinho. Então, agora é sua vez de novo. Vendou o tio e já tinha um esconderijo. Assim que ele começou a procurá-la, ela deitou-se debaixo da mesa e, por mais que o tio procurasse não a encontrou. Então ele se considerou derrotado naquela segunda rodada. Tirou a venda e viu-a surgir debaixo da mesa, rindo muito. – Me enganou direitinho. Prometo que vou ...
«12»