1. Mestre de Obras


    Encontro: 10/01/2019, Categorias: Masturbação, Punheta, tensão sexal, testosterona, MACHO, obras, cuidado com os sereios!, Lolito, NINFETO, playboy, filhinho de papai, Rico, mimado, CHAPADO, erva, Oral, Anal, cunete, Selvagem, exposição, calcinha, cheiro, Submissão, Dominação, Hétero, pau duro, voyeurismo, Voyeur, banho, calor, suor, negro, mulato, Malandro, malícia, ex-hétero, Oral, Trabalho, sem camisinha, Cafuçu, peão, pedreiro, Bissexual, bierótico, Bi, viado, Novinho, flagra, Maconha, construção, reforma, obra, SAFADO, tarado, Tensão Sexual, Desejo, objetificação, sodomita, Sodomia, Tesão, Putaria, mamada, continho, Gays / Homossexual, Autor: André Martins, Fonte: CasadosContos

    Mulato trintão, da cara de ruim e marcada por várias experiências da vida. 1,80m e poucos, corpudo e pezão 44, esse sou eu. Gosto de me descrever porque já deixa evidente como sou visto em várias situações, dado meu tamanho de ogro e cara de mau, ombrudo, barbão. As pessoas sempre ficam desconfiadas e me olhando muito, talvez esperando por algo inesperado. Não foi diferente quando cheguei na mansão daquela madame pra fazer os retoques que ela pediu quando ligou pra firma onde trabalho como mestre de obras. E justamente por ser requisito da galera rica da Zona Sul, só podia ser o mestre de obras, nenhum outro. Nove da manhã, o sol já rachando a cuca, a ponto deu sentir o suor escorrendo pela barba farta, que eu só não tirava por ajudar a complementar o visual de homenzarrão. - Bom dia, madame! - Bom dia, querido! A cintura fina, os peitões apertados no paletozinho de advogada, o jeito que deixava evidente que o marido com certeza era um puta cornão manso, porque ela fez questão de me tocar, mesmo eu suado. Era daquelas que não ligava pra essas questões quando o assunto era putaria. Se tava molhada, o resto era festa, nem percebia o suor, o lugar ou quem tivesse vendo. Senti que ficaria de pau durão ali mesmo, aí o maridão nota dez saiu também. - A gente tá atrasado! - Sim! Vamos correr! Deu um beijo qualquer na esposa e entrou no próprio carro. Viu que ela ia entrar no dela e botou a cabeça pra fora da janela. - O que você tá fazendo? Ariel pediu pra deixar um carro em casa. ... - Ah, é! Esqueci! Ela parou e deu a volta, unindo-se ao marido no banco do carona do outro carro. Uma vez dentro, ele deu ré e o portão automático se abriu, dando passagem ao veículo para ir embora, que foi o que rolou. Com a pá numa mão e a enxada na outra, não falando da minha piroca inevitavelmente ereta na calça, eu já entrei pensando na tal Ariel que ficou em casa. Se tivesse puxado a mãe, com certeza era uma ninfetinha tirada a safada, com a maior cara de piranha e jeito de quem quer entrar em vara. Isso me deixou tão encaralhado, que se a safada entrasse pelo corredor com certeza ficaria assustada com a visão de um pedreirão que nem eu entrando de caceta dura pelo corredor da mansão, doido pra foder, estalando de trincado, pesado no tecido grosso. Já nem lembrava da minha última foda, ultimamente tava só nas punhetas, então a fome de putaria era tamanha. Que filha mimadinha, pediu pra mãe deixar um carro só porque queria dar um rolé com as amiguinhas mais tarde. Olha o nível! Trabalhei a maior parte do tempo sem qualquer sinal da Ariel, ou seja, a caceta não desceu um só minuto. Eu tava de calça jeans justa, botinas de segurança, camiseta sem manga e os braços de fora por causa do calor da porra que tava fazendo. Fiz os primeiros reparos na área da piscina e segui pelo corredor externo, até que me deparei com uma janela aberta e um puta cheiro de maconha. Chegando mais perto, vi a fumaça saindo pelo buraco na parede e, numa certa distância, observei alguém de bruços ...
«1234...7»