1. Após a surpresa o prazer e a loucura


    Encontro: 09/01/2019, Categorias: Primeira vez, Sexo lésbico, Orgasmos, jovenzinhas, Lésbicas, Zoofilia, Lésbicas, Gays / Homossexual, Autor: Martinha, Fonte: CasadosContos

    Queridos amigos a extensão destas novas páginas, achei que devido a todos os pedidos e elogios que recebi vos devia dar mais texto, espero que gostem das minhas memória como das outras vezes. APÓS A SURPRESA, O PRAZER E A LOUCURA Podem os meus leitores imaginar a surpresa destas revelações, então a minha tia sempre tão recatada, frequentadora da igreja, a dar-me sermões por causa de saias mais curtas ...era amante de zoo! Ia caindo da cadeira quando esta amiga dela me revelou tudo, ainda algo perturbada por ter sido surpreendida pela tia na quinta e ainda por cima ...engatada no Tejo. Não consegui dizer nada e ainda bem pois a Carla continuou: -Se ainda estava magoada da desfloração imagina agora com a dilatação do nó canino, quase que não me podia mover e andar ainda menos. Ficámos as duas longo tempo sentadas num banco até que as dores diminuírem e fomos para casa. A tua tia enquanto eu me refrescava e lavava por baixo, queria saber tudo o que se tinha passado e perguntava-me os pormenores todos, eu lá lhe ia dizendo o que podia e na altura entendia. Apesar das dores que ela percebia que eu tinha não descansou enquanto não me convenceu a ajudá-la a tentar o mesmo. Como eu te disse éramos íntimas, e quero dizer-te agora sem pudor ou segredos porque fui autorizada pela tua tia a dizer-te isto: íntimas sexualmente. Fiquei sem poder articular palavra, a minha tia! A senhora mais recatada e frequentadora da igreja que eu conhecia, que me estava sempre a recomendar a modéstia no ...
    vestir e no comportamento, afinal praticante de zoo e ....lésbica. -Tínhamos descoberto os nossos corpos, beijávamo-nos na boca, fazíamos punhetas nas nossas coninhas uma à outra, lambíamos os nossos grelinhos, até já tínhamos arrepios que deviam ser os nossos gozos a nascer - continuou a Carla - estávamos a descobrir os nossos corpos e sexualidade e na verdade gostávamos, e, gostamos até hoje imenso uma da outra. Assim quando tivemos oportunidade foi a vez da Sofia (era o nome da minha tia) ser montada pelo nosso cão. Ela tinha posto um vestido velho num saco e tínhamos levado também uma toalha e cuecas para ela usar depois de “montada” pelo cão. O Douro tinha-nos seguido e quando chegamos à estufa das plantas que era na altura o local mais discreto que conhecíamos, fizemos entrar o cão, entrámos e fechámos a porta com uma cadeira para não sermos surpreendidas. A Carla estava sentada a meu lado e pegou-me nas mãos, eu tinha baixado os olhos a principio por vergonha de ser sido descoberta mas depois para esconder o meu rubor e excitação desta narrativa, estava a escorrer da rachinha e sentia toda o meu baixo ventre em fogo de tesão. A Carla abraçou-me pela cintura encostando-se a mim e continuou: -Como te disse, assim que entrámos estendemos a toalha no chão e a Sofia pôs-se logo de quatro arregaçando a saia para as costas e expondo o rabo para ser montada. Rabiou muito o pobre do Douro que queria logo penetrá-la mas ela foi fugindo e afastando a buceta até o Douro começar a ...
«1234»