1. Meu vizinho e eu.


    Encontro: 06/12/2018, Categorias: Coroas, Autor: rosaamora, Fonte: ContoErotico

    Vocês se recordam da vinda do Paulo meu vizinho na minha casa e de como gozei loucamente na sua boca. Engraçado que pensava que ele jamais me viu como uma mulher, era apenas a vizinha. Eu sempre o achei belo, ja disse. Mas era casada e na relação com meu marido nosso acordo era de que nos bastávamos. e como sou honesta com os acordos que faço jamais passei da admiração. Depois viúva, me mantive assim, pois não faço o tipo que se joga. Sou muito na minha. Até o dia que ele me viu masturbando da sua varanda, (meu primeiro conto). Ai tudo mudou. Olhares, o vinho e apos gozar e receber o beijo mas gostoso, Paulo se despiu (meu segundo conto) expondo o corpo com a segurança de quem se cuida mas que aceita o tempo e as suas marcas. Enlouqueci ao ver aquela beleza madura. E a excitação visível no pênis totalmente duro, parecia que a pele romperia, as veias saltando. So conseguia pensar que precisava me fundir naquele corpo. Me jogo nele, beijando, sussurrando, mordendo seus lábios, seu pescoço, seu peito. Ele se apoia na pilastra da varanda e com as maos por baixo do meu vestido me aperta os bicos do seios e minhas nadegas. Toco seu pênis duro como pedra, ... quero provar o gosto, mas ao mesmo tempo preciso senti-lo dentro de mim. Sinto minha umidade excessiva, resultado do gozo e do vinho de antes e da intensa excitação. Me sinto derretendo. Apoio uma das pernas na mureta da varanda me abrindo pra ele, sinto seus dedos me penetrando. Me ajeito e encaminho seu pênis. Quero ele inteiro ocupando o vazio que me tortura. Ele percebe minha intenção e me segurando pelo quadril me levanta posicionando a cabeça do pênis na entrada da minha buceta. Me desce. Eu agarrada no seu pescoço me solto, desligo naquela tora que me rasga, me ocupa, toma conta do meu ventre. Totalmente preenchida por ele por alguns minutos ficamos imobilizados. O único movimento é a contração involuntaria da minha vagina sugando, devorando. Lentamente retomamos os movimentos. Sinto sua pulsação dentro de mim. Seu dedo num toque anal que me fez perder a noção de tudo. Ouvi sua voz dizendo que ia gozar. Movimentos acelerados, pedi pra que metesse mais fundo, com mais força. Nos perdemos um no outro e gozamos. Chorei como criança enqto sentia o nosso gozo escorrendo. Totalmente satisfeitos, levei-o para o meu quarto. A noite só estava começando.
«1»