1. Tanta FOME que comeria TEU CU!


    Encontro: 14/11/2018, Categorias: URSO, tarado, funk, primo da mulher, primo da esposa, faminto, Fome, Infidelidade, trintão, adultério, Traição / Corno, viado, SAFADO, moreno, peludo, pentelhudo, mijada, pau no cu, Tara, Desejo, tensão, Observação, Tensão Sexual, Viagem, ônibus, promiscuidade, Submissão, Dominação, bêbado, Álcool, Festa, serventia, Obediência, sodomita, Sodomia, Viciado, Bissexual, Bi, continho, Sacanagem, Safadeza, Putaria, em aula, sala de aula, Exibicionismo, exibição, Em Público, galada, Gozada, voyeurismo, Punheta, punheteiro, Masturbação, Voyeur, adolescência, Teens, colégio, mijo, Bareback, sem camisinha, Virgindade, cabaço, Primeira vez, Tesão, OTÁVIO, gabriel, Breno, erros, jogo, Hétero, ex-hétero, Gays / Homossexual, Autor: André Martins, Fonte: CasadosContos

    Você viu o título e veio na intenção de ler um conto bem safado, né? Mas é isso mesmo! EU VOU COMER TEU CU! E não vai demorar muito tempo, se continuar lendo. Não tô nem aí se tu é homem ou mulher, tendo um lombo no qual eu possa me apoiar e meter, estaremos conversados. Sendo sincero, não tenho tanto interesse em bocetinha, não querendo parecer falso moralista ou um escroto e arrogante. Um cu é um cu, mas mesmo sendo algo que todo mundo tem, nem todos dão, e é isso que envolve uma certa questão de tesão, momento e honra. E falando em todo mundo ter cu, sou o tipo de cara que pensa que essa parte do corpo deveria ser tipo um símbolo de paz mundial. Primeiro que é onisciente, segundo que promove o prazer e bem estar, ainda que nem todos saibam disso, e por último que é o prato principal de qualquer safado com uma piroca sapeca que nem a minha. Sempre me considerei um tarado, mas agora quero mesmo alargar um cuzinho. Vou contar um pouco da minha vida, enquanto escrevo sentado no escritório, em pleno horário de almoço. Pra começar, o caralho estourando na calça social só de lembrar de como tudo começou, mas eu tinha que fazer algo de diferente dessa vez. Então decidi parar e escrever, pra ver se consigo passar o tesão que sinto a vocês também. E não tem como contar de nossas experiências mais prazerosas sem acabar sentindo em nosso corpo o efeito que elas nos causam, mesmo após anos. A história de qualquer cara safado de verdade requer uma sentada e uma escutada com atenção ... de quem quer que ouça, então me dêem um pouco de seu tempo e vamos lá. Eu sou o Breno. Atualmente com 32 anos, morenão de praia, 1,85m, magro, ombros largos e o corpo em dia. Pra começar, três coisas importantes que devem saber sobre mim: tô sempre com fome, tanto de comida quanto de cu. Desde que me conheço por gente, nunca recusei uma boquinha pra encher o estômago, assim como nunca neguei meu leite pra quem quisesse encher a barriga. E segundo, às vezes posso ser desatento pra caralho, sendo que isso sempre acaba me fodendo em algum ponto da vida, vocês verão logo o porquê. Talvez percebam algumas incoerências ou confusões ao longo do texto, quem sabe até SETE delas, mas nada que vá interferir na nossa linha de putaria. Não sei dizer quando ou como começou, mas desde novo eu soube que seria um macho safado e com dificuldade de controlar a própria libido, começando pelo vício em bater punheta. Na época da adolescência, lembro-me de fases em que ficava tão encaralhado que batia em qualquer lugar que pudesse, parece que havia nascido sem o botão de desligar o tesão. Estudava num colégio distante de casa, então dependia de uma viagem de trem até lá. Por qualquer lugar que andasse, tomava o maior cuidado pra não ficar de pau duro e marcar no tecido elástico do uniforme, mas era muito difícil. Além do tesão comum da puberdade, tinha uma energia tremenda por ser jovem e uma vontade enorme de gozar a todo momento. Uma vez fiquei tão galudo no papo de duas minas conversando que ...
«1234...10»