1. PEGANDO A CUNHADINHA GOSTOSA


    Encontro: 05/11/2018, Categorias: Anal, Oral, Heterossexual, Autor: Ehros Tomasini, Fonte: CasadosContos

    O SEQUESTRO - Parte 03 Uma luz acendeu-se, no terraço de uma das casas vizinhas de onde morava a noiva de Ronaldo. Alguém botou as caras na janela, olhou em direção ao carro e depois desapareceu no interior da casa. Paulo disse, ainda arfante: - Alguém ouviu teus gritos. Deve ter entrado para chamar a Polícia. É melhor eu ir embora. - Vá, meu anjo. Mas vá direto para casa. Não pare em nenhum barzinho mais. - E nós, como ficamos? Ela pensou um pouco, antes de responder: - Ficamos do mesmo jeito: você com Sirleide e eu com Ronaldo. E este fica sendo um segredinho nosso. Eu gosto do meu namorado, só tinha curiosidade em saber como seria traí-lo. - Por que comigo? - Ah, vá-se embora. Você faz muitas perguntas. - Disse ela, saindo do carro e caminhando em direção ao portão da sua casa. Ele esperou que ela entrasse, antes de botar o carro em movimento. Ouviu, ao longe, a sirena da Polícia. Alguém da vizinhança a havia chamado. Mas saiu da área sem atropelos. Ainda estava afim de gozar, pois não tinha conseguido com a namorada de Ronaldo. Ela gozou em seu colo e depois saiu de cima, deixando-o todo melecado. Morava por perto, e logo estava em casa. Tomou um banho demorado, e ia se masturbar quando seu celular tocou. Saiu do banheiro nu e caminhou até a sala, onde o tinha deixado. Estranhava o telefonema àquela hora, quase uma da madruga. Mas devia ser Sirleide querendo fazer as pazes. - Alô? - Oi, paixão. Estou ligando para me desculpar contigo. Eu estava muito aperreada com o ... sumiço de minha irmã, mas agora estou bem melhor. Quer vir aqui em casa? Ele pensou um pouco. Demorou a responder: - Não, minha linda. Estou terminando de tomar banho e vou dormir. Amanhã a gente conversa. - Pois, se não vier agora, não precisa vir mais. - Ouviu a médica dizer ao telefone, antes de desligar. Paulo fez um ar de cansaço. Pensou em ligar de volta, mas conteve o ímpeto. Voltou para debaixo do chuveiro, porém a vontade de bater uma bronha já havia passado. Analisou a situação, enquanto se enxugava: estava claro que seu relacionamento com Sirleide estava no fim. Gostava dela, mas a médica era muito cheia de direitos. Fazia de tudo para não discutir com ela, mas nem sempre conseguia. A tendência era um dia se cansar dela, ou ela dele. Então, achou que era melhor acabarem por ali mesmo. Terminou de se enxugar, vestiu um calção leve e caiu na cama. Porém, o celular tocou de novo. Levantou-se querendo resolver aquela situação. Detestava fazer isso, mas estava disposto a desmanchar o namoro por telefone. No entanto, não era Sirleide quem lhe ligava. Reconheceu o número do irmão. - Oi, Pedro. O que mandas? - Oi, mano. Recebi um telefonema da tua namorada. Ela disse que precisava me ver urgente. O que está acontecendo? Em poucas palavras, Paulo contou tudo o que se passou naquela noite, excluindo o fato de ter transado com a namorada de Ronaldo. - Eu devo ajudá-la a achar a irmã? - Quem sabe é você. Não tenho mais nada com ela. E, se nós dois nos encontrarmos, vai ser só para ...
«123»