1. Quando a mamãe sai…


    Encontro: 04/11/2018, Categorias: Incesto, Autor: Renata Viana, Fonte: ContoEroticoComBr

    Prazer, meu nome é Renata, tenho 18 anos, moro com a mamãe e meu padrasto. Por ser representante de vendas, mamãe acaba viajando muito o que acaba que passo mais tempo com meu padrasto, Claudio. Tem seus 50 anos, e assim como todos em casa adota uma dieta fitness. Eu sou pequena, 1.60cm distribuindo meus 50 quilos, o deve ter aumentado graças ao silicone que meu padrasto me deu como aniversário de 18 anos. Sempre curti isso em outras meninas, seios fartos e corpos magros e definidos. Em uma noite, meu padrasto e eu resolvemos assistir a um filme, aproveitar que a chuva caia sinistra lá fora. Pegamos nossos cobertores e travesseiros e sentamos no sofá, distantes, cada um em um canto. Vesti meus pijamas favoritos, uma regata branca de tecido fino que marcavam o contorno do meu corpo, elevando nos quadris, e claro, minha calça de moletom quentinha para aquela noite. Estava deitada em meu lugar de sempre, enquanto esperava ele voltar de um telefonema, e inconscientemente comecei a acariciar sem pensar meus seios enquanto tateava o celular em busca de algo. Passaram alguns minutos e olhei para a porta da sala e lá estava meu padrasto, me olhando de longe, com um sorriso nos lábios de braços cruzadas. Assustada fingi que arrumava minha blusa, completamente desconcertada o repreendi: – Claudio, não fica me encarando. – Sorrindo levemente escondendo o rosto corado. – Você é linda querida, uma mulher encantadora. Assim sentou-se em seu lugar habitual, não se cobriu com nada e usava ... apenas um calção de seda. Enquanto qualquer filme rolava na tevê, eu o observava discretamente. Uau, que homem, e como aquele volume escandaloso me deixava excitada. Ele virou seu rosto para mim e perguntou o que eu tinha achado do presente, se depois de cicatrizado estava ao meu gosto. Que susto! Dei uma gargalhada e respondi que sim, que havia gostado. Então ele se sentou ao meu lado em um movimento lento, quase preguiçoso e olhando em meus olhos perguntou se podia vê-los. Afinal, ele deu o presente, tinha motivos plausíveis. Fiquei louca, como não usava calcinha sentia minha vagina escorregadia com o mel que descia, e assim o fiz. – A boa filha sempre obedece aos pais. Meu olhar se fechou sexy, e mordendo levemente os lábios retirei minha blusa e ele os olhava sedento, os envolveu com a mão e perguntou se podia chupá-los, eu respondi que sim com a cabeça. Meu corpo arrepiava com cada toque, chupada, mordida, chupada e cada vez mais intenso e guloso, eu gemia baixinho acariciando meu clitóris com os dedos ávidos por prazer. Ele pegou meus dedos de dentro da calça e chupou-os afirmando que hoje ele me daria prazer, retirou minha calça em um movimento rápido e preciso, após jogá-la longe desfrutou seu olhar em minha vagina depilada, mais lisinha do que em seus sonhos mais eróticos. Até que a abocanhou com maestria. Nunca havia sido chupada daquela forma, seus movimentos faziam meu corpo se mexer em êxtase, enfiava seus dedos em meu cu e colocava em movimentos alternados sua ...
«12»