1. EXPERIÊNCIA NO FIM DA INFÂNCIA


    Encontro: 27/10/2018, Categorias: Virgem, Autor: Juvenal de Aguiar Penteado Neto, Fonte: ContoEroticoComBr

    EXPERIÊNCIA NO FIM DA INFÂNCIA Durante a 3ª Série, a minha amiga “Marlene” ficou cada vez mais difícil. Uma vez na chácara após muitas chupadas consegui colocar meu pinto no “cuzinho” dela. A “Marlene” não gostou. Chorou e disse que doeu. Nós paramos com essa brincadeira e durante muito tempo éramos namorados, mas sem nenhuma penetração. Valia muitos beijos, carinhos, masturbações e até chupadas. Uma vez forcei meu indicador na sua bucetinha, como eu tinha feito na fazenda com as outras meninas, mas a Marlene chorou de dor e disse que não queria mais esse tipo de brincadeira. A coisa esfriou quando eu conheci um veadinho na escola. Pedi que fosse até nossa chácara com a intenção de fazer as sacanagens que eu tinha feito na fazenda. Durante a maior parte da 3ª Série, o veadinho me chupou e era enrabado, inclusive por outros amigos. Minha namorada ficou furiosa com a situação e desapareceu da nossa chácara. Às vezes, nos encontrávamos na Escola, mas ela não dava nenhuma atenção para os meus apelos. Aprendi, desde cedo, que não devia contar para ninguém as nossas experiências sexuais. Durante a 4ª Série, na minha classe tinha uma menina chamada Marta, era magra, alta e já com pequenas mamas. Passei a flertar com a menina e durante muito tempo com pouco sucesso. O tempo todo parece que a menina queria, mas ao mesmo tempo tinha medo. Como eu era mais velho e muito experiente, dava tempo ao tempo. Gostava de ajudar todos e todas dentro da classe, pois sempre tive facilidade de ... compreender as explicações dos professores. Eu era uma espécie de monitor. Sempre em condições de tirar as dúvidas de todos. Este motivo me aproximou da Marta. Um dia me chamou para sua casa, no período da tarde, para ajudar na lição de aritmética. Fiquei contente e com segundas intenções. Fui recebido por ela e por sua mãe. Fui tratado com muito carinho. Ajudei na lição. Ficou ótima. No mesmo dia lanchamos e ficamos conversando sempre com a fiscalização da mamãe. Nosso desejo de ficar sozinhos começou a se manifestar. Nos dias seguintes a Marta tomou o lugar da Marlene. Nosso namoro era discreto, tendo em vista que a mãe vivia na marcação. A Marta tinha medo da mãe. A sorte mais uma vez nos favoreceu. A mãe teve que viajar e deixou a menina sob a fiscalização de uma tia. A Marta deu uma desculpa para a tia, dizendo que precisava fazer um trabalho na escola, no período da tarde e fomos para a nossa chácara. A minha mãe percebeu. Não se importou. Nossa chácara era frequentada por muita gente. Tomamos café com bolo e fomos caminhar até o lago. Na época eu tinha 11 anos e a Marta um pouquinho menos. Nas proximidades do lago, rapidamente, passamos a nos beijar e fazer carinhos, inclusive masturbação. A Marta era uma menina, sem experiência, mas fogosa que só ela. Acho que foi a primeira vez que gozei. Saiu do meu pinto o líquido que sai antes do gozo do adulto. Enquanto a mãe esteve viajando, nos encontramos quase todos os dias, inclusive, na sua casa e na sua cama. Contei à ...
«123»