1. Bêbado que os caras que comeram


    Encontro: 27/10/2018, Categorias: Gozada, Oral, Bissexual, Gays / Homossexual, Autor: Gustavo, Fonte: CasadosContos

    começou a comer meu rabo também e o safado do Hugo colocou o pau na minha boca, eu senti nojo, não sabia chupar e ele me deu um tapa na boca e falou que se eu mordesse ele ia me matar, então ele colocou bem fundo e eu tava tão grogue que nem conseguia chupar ou reagir. Só sei que os três me comeram enquanto me chamavam de putinha, depois o Hugo mandou os dois saírem e disse que ficaria lá comigo até eu ficar bem e assim que fechou a porta ele me pegou pelo pescoço, beijou minha boca e disse que tinha sido a melhor foda da vida dele e que sabia que eu tinha curtido. Ele abriu minhas pernas, viu que meu cu tava todo estourado, pegou um lubrificante, encheu meu rabinho e disse que ia me comer devagar pra não doer mais e subiu em cima de mim e começou a me comer enquanto tocava uma punheta pra mim e nessa hora apesar da dor horrível, eu confesso que comecei a sentir prazer com meu cu e meu pau sendo estimulados ao mesmo tempo. Soltei um gemido baixinho e morri de vergonha de dar aquele gostinho pra aquele tarado, mas eu já não tava aguentando mais, comecei a gemer e ele parece que ficava mais excitado, porque socava mais forte, ai eu reclamava de dor e ele ia mais devagar. Só sei que ficamos um tempão ali trepando, ele me pede pra ficar de quatro, achei humilhante mas tava tão confuso e com tanto tesão que fiquei de quatro e ele deu uma cuspida no meu rabo e socou fundo, arrancando mais gemidos de dor, porém eu continuei ...
    ali, dando pra ele, urrando de dor e prazer e ele falando altas sacanagens enquanto me comia e me pegava pela cintura pra aumentar o contato. calourada Ele tirou o pau pra fora, perguntou se já provei leite de macho, eu disse que não e ele mandou eu abrir a boca e gozou na minha boca e me fez engolir tudinho. Saí daquele quarto me sentindo mal, humilhado pra caralho e me sentindo um lixo por pensar nesse cara que fez aquilo comigo, mas uma semana depois dessa festa o safado me ligou de novo, perguntou se contei pra alguém e me chamou pra sair. Eu disse que não era gay e ele disse que tinha certeza que eu era porque gostei muito do que ele fez e disse que era pra eu encontrar com ele no estacionamento da faculdade que ele tava com saudade do meu cuzinho. Eu acabei indo e a gente parou numa parte deserta da orla da minha cidade, ele já foi colocando o pau pra fora e me fez dar uma chupada bem gostosa, aquela altura eu já sabia que curtia dar o cu e mesmo com meu rabo ainda muito dolorido eu deixei o Rafael me comer, ele afastou o banco, me botou no colo e começou a pegar na minha cintura pra eu mexer em cima do seu pau. Foi uma delícia e depois eu fiquei viciado nesse macho e na pica grande e grossa dele, nem conseguia ter raiva do que ele fez comigo na calourada, eu ficava louco esperando a hora dele me ligar pra gente foder de novo e até hoje ele paga de machão na faculdade mas adora frequentar meu cuzinho todos os dias.
«12»